agosto 04, 2016

Lembrar

O blog Amigo de Israel descreve aqui as inimagináveis atrocidades cometidas pelos moamedes do bataclan sobre pessoas indefesas. Estes factos não foram abertamente publicados: ficaram por relatórios envergonhados e ocultados.

Lembro-me do escândalo sem fim que foi o facto de soldados americanos urinarem em cima de terroristas abatidos em combate aberto.

Estes factos descrevem a cumplicidade da comunicação social com o terrorismo.

14 comentários:

Bilder disse...

Eu não diria cumplicidade com o terrorismo,mas sim com as agendas políticas/religiosas por trás do terrorismo.

FireHead disse...

Parece que os fiéis da igreja de Santa Rita, os tais que foram escorraçados pela polícia, não são católicos de verdade. Confira isso aqui:

http://blog.comshalom.org/carmadelio/51201-verdade-sobre-igreja-de-santa-rita-desocupada-forca-pela-policia-na-franca-nao-e-o-que-parece

João José Horta Nobre disse...

O "Amigo de Israel" só fala do que lhe convém:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/06/o-blog-amigo-de-israel-e-uma-operacao.html

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/06/as-coisas-que-irritam-o-amigo-de-israel.html

FireHead disse...

Ora, é como o líder do PNR. Uma vez também lhe fiz umas perguntas incovenientes sobre qual era a sua opinião acerca de gente não-branca mas que é portuguesa de direito, seja por motivos de herança familiar ou por aquisição de nacionalidade, e o homem em vez de me responder e elucidar-me eliminou do Facebook. Se quiserem, posso recuperar aqui a mensagem que eu lhe enviei.

Lura do Grilo disse...

"pinião acerca de gente não-branca mas que é portuguesa de direito" Qualquer pessoa que fale português, tenha vivido cá alguns anos seguidos, goste de bacalhau ou bifana ou sardinha assada, ame os pasteis de Belém, goste e tenho orgulho do país e das suas gentes, se integre e seja cumpridor da lei é português.

Lura do Grilo disse...

Temos filhos de famílias ucranianas que não querem sequer ouvir falar de voltar à Ucrânia! Para mim serão uns bons portugueses: desejo-lhes sucesso

João José Horta Nobre disse...

«Ora, é como o líder do PNR.»

Eu não sou, nem nunca fui militante do PNR. No entanto, não me ponho a desfazer do PNR, porque apesar dos defeitos que tem, é o ÚNICO partido político em Portugal com coragem de dizer muitas verdades que os outros partidos não dizem.

Oliveira da Figueira disse...

Grato pela divulgação, amigo Grilo.

A minha simpatia para com os judeus vem em grande parte do facto de eles levarem com isto há 1,400 anos, e a extrema-esquerda culpá-los a eles, como agora nos culpa a nós. Tudo quanto seja não europeu e judaico-cristão, a extrema-esquerda considera intrinsecamente sacro, tabu, infinito nas suas perfeições.

Tenho este traço judaico-cristão e conservador de ser sempre pelos perseguidos e injustiçados, que se lhe há-de fazer...

Abraço,

OdF

Oliveira da Figueira disse...

P.S. - A minha caridade judaico-cristã não chega é ao ponto de ir cursar Psiquiatria para tratar certos casos. Resta-me orar por eles.

Oliveira da Figueira disse...

Aqui há tempos tivemos um conhecido troll, nazi semi envergonhado (e ao qual não damos publicidade) que foi bolsar inanidades e insultos anti-semitas ao nosso blog(o costume, que os judeus é que financiaram o Hitler para eles os matar todos no Holocausto, etc.), e que é incapaz de entender que:

a) Por haver alguns judeus ricos, nem todos são ricos.

b) Por haver alguns judeus que foram comunistas, nem todos os comunistas eram judeus (Stalin ou Mao, Hoxa ou Castro, Pol Pot ou os Kims, etc.).

c) É doença a generalização sistemática e a visão dos judeus a mexerem na sombra os cordelinhos do Mundo há 6 mil anos (geralmente para se fazerem matar aos milhões).

d) É tão obcecado pelo ódio anti-semita, que consegue ver numa declaração de fraternidade universalista uma proclamação imperialista (apesar de os judeus nunca terem tido nenhum Império, ao contrário de tantos outros, nós portugueses, por exemplo).

e) Que tem um blog em que destila ódio e pura loucura.

f) Etc..

Isto chega:

http://questomjudaica.blogspot.pt/2016/08/quatro-formas-do-mito-da-conspiracom.html

João José Horta Nobre disse...

«Aqui há tempos tivemos um conhecido troll, nazi semi envergonhado (e ao qual não damos publicidade) que foi bolsar inanidades e insultos anti-semitas ao nosso blog»

Não, Oliveira da Figueira, eu não sou nazi e nem essa técnica que muitos judeus usam, de chamar nazi a qualquer um que os critique, funciona mais. Aliás, até já caiu no ridículo como eu falei aqui:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/01/ja-caiu-no-ridiculo-e-nao-faz-efeito.html

Em segundo lugar, eu não bolsei nenhumas "inanidades", nem insultos nenhuns, limitei-me a fazer algumas perguntas e se houve alguém que partiu para os insultos, foi o Oliveira da Figueira que só por eu fazer algumas perguntas, me chamou nazi e me censurou.

«Por haver alguns judeus ricos, nem todos são ricos.»

Nem eu alguma vez disse ou escrevi tal coisa! O problema não é haver judeus ricos. O problema é haver judeus que nada mais fazem do que financiar o Internacionalismo e o ódio contra os não-judeus. Quer um melhor exemplo do que o George Soros? Quando eu lhe perguntei a si, o que é que o Oliveira da Figueira me tinha a dizer sobre o George Soros, você prontamente insultou-me e censurou-me.

Portanto afinal quem o nazi?!? Eu que só fiz uma pergunta, ou o Oliveira da Figueira, que por ser confrontado com uma simples pergunta, parte para os insultos e de seguido parte para a censura? Desculpe que lhe diga Oliveira da Figueira, mas você é um FASCISTA, entende? Porque é isso mesmo que os fascistas fazem: censura.

Volto a colocar-lhe a mesma pergunta: o que tem a dizer sobre o judeu George Soros e porque é que o "Amigo de Israel" nunca criticou o George Soros?

A única resposta que você sabe dar é chamar nazis às pessoas que lhe fazem alguma pergunta difícil. Nazi, Nazi, Nazi! É só isto que o Oliveira da Figueira sabe responder.

«Por haver alguns judeus que foram comunistas, nem todos os comunistas eram judeus»

Não, Oliveira da Figueira, não se faça de parvo, porque você não é parvo nenhum. Muitos dos líderes mais destacados dos movimentos comunistas eram judeus e você sabe perfeitamente bem disso, mas prefere fazer-se de desentendido. O assunto é tão incomodo para vocês, que até conseguiram apagar da Wikipédia o artigo que abordava este assunto:

http://en.metapedia.org/wiki/Jews_and_Communism_(copy_of_deleted_Wikipedia_article)

João José Horta Nobre disse...

«É doença a generalização sistemática e a visão dos judeus a mexerem na sombra os cordelinhos do Mundo há 6 mil anos»

Eu nunca disse que são só os judeus que mexem os cordelinhos do Mundo. Agora, factos são factos e o facto é que os judeus, sendo uma percentagem tão pequena da população, aparecem demasiadas vezes em posições de destaque dentro de revoluções e partidos ou movimentos revolucionários. Não acha isto uma coisa um "pouco" suspeita?...

«É tão obcecado pelo ódio anti-semita, que consegue ver numa declaração de fraternidade universalista uma proclamação imperialista»

Depende do anti-semitismo de que está a falar. Do ponto de vista religioso, sou assumidamente anti-semita sim, no sentido em que não gosto das religiões semitas. Mas já agora, não tenho o direito a não gostar de religiões semitas? Ou o Oliveira da Figueira vai-me dizer que faz parte da "fraternidade universal" do Judaísmo, obrigar todos os goyim a gostar do Judaísmo e quem não gostar é Nazi? É esse é que o seu conceito de tolerância?

E já agora, de que "declaração de fraternidade universalista" é que o Oliveira da Figueira está a falar? É daquela que está no Talmude a dizer explicitamente que Jesus Cristo está no inferno a ser cozido em excremento a ferver? É essa a vossa "fraternidade universalista"?

Mas afinal por quem é que o Oliveira da Figueira me toma?!? Acaso pensa que está a falar com algum idiota??? É isso????

«ao contrário de tantos outros, nós portugueses, por exemplo»

Sim, sim, você deve ser realmente muito "português", sem dúvida! Dá para ver pelo "Amigo de Israel" que você é um português de gema, quem sabe, sediado em Telavive!

«Que tem um blog em que destila ódio e pura loucura.»

Faça então o favor de me exemplificar esse "ódio" e toda essa "pura loucura". É que o Oliveira da Figueira gosta muito de acusar e lançar insultos, mas apresenta poucos factos. Depois quando é confrontado com os factos, a resposta do Oliveira da Figueira é gritar: Nazi, Nazi, Nazi!

Já agora, caro Oliveira da Figueira, onde é que aprendeu essa tão sofisticada técnica de defesa que consiste em simplesemente gritar "Nazi" vezes sem conta? Foi a Mossad que lhe ensinou isso?

O Oliveira da Figueira não me conhece e por isso é que fala de mim assim. Caso contrário, ele saberia que eu já defendi judeus em ocasiões anteriores. Saberia que eu próprio possivelmente tenho algures na minha linha genética antepassados judeus que não renego de forma alguma, mas cuja religião não me diz nada. Saberia que eu sou um defensor do Estado de Israel, porque quero que os judeus tenham uma Pátria onde possam viver. E saberia muito mais coisas.

Mas o Oliveira da Figueira não quer saber de nada disto. Ele quer é chamar-me "Nazi" e pronto. O que querem que eu faça?

Oliveira da Figueira disse...

Não tinha reparado que esta conversa tinha continuado. Entretanto, acertámos as agulhas na caixa de comentários de um post que fiz sobre Soros, e acho que estamos em paz:

http://amigodeisrael.blogspot.pt/2016/08/george-soros-bilionario-e-esquerdopata.html

Se eu ainda não tinha falado no Soros - repito - foi apenas porque não tinha calhado. Nem sou nenhuma luminária da Cultura, nem gestor de um órgão de informação. Tenho um blog, é só. Mas tenho muito mais a dizer sobre esse pró-terrorista, esquerdopata e anti-semita. Mas já tinha malhado valentemente por exemplo no inútil do Bernie Sanders, que é outro.

A sua entrada no blog Amigo de Israel foi de propósito para "testar aquilo", como V. confessou. Tenho lá os seus comentários arquivados, com expressões como "Toma lá, idiota", "seu judeuzinho", etc.. Não tenho paciência para citar e comentar frases e parágrafos, tenho hate mail às pazadas.
Quem semeia ventos colhe tempestades. Quem vai "testar aquilo", com a rectórica que V. usou, sujeita-se a ser tomado por mais um dos trolls que diariamente lá vomitam ódio. Fico aliviado por V. não ser nazi, já lho disse. A sua palavra chega-me, nem tenho o direito de duvidar.

Não o tenho na conta de parvo. E por isso mesmo, e apesar de considerar que já acertámos pontos de vista e estamos em boa paz, vejo que continua com certos clichés que não são de pessoa inteligente.

Por exemplo: os judeus têm uma "representação desproporcional". Essa é dos Protocolos e do Mein Kampf! Os judeus são apenas 0,17% da população mundial, de facto, mas 1 em cada 4 vencedores de Prémios Nobel é judeu. Idem para avanços científicos e tecnológicos, ajuda humanitária, literatura, arte, activismo político, banca e finança, comunicação, medicina, agricultura, etc.. Isso é "suspeito"? Não. É resultado de uma cultura virada para o bem comum, para o "curar o Mundo", a que eles chamam, salvo erro, tikkun olam. E é resultado de um QI médio que é o mais elevado na espécie humana (não fuzile o mensageiro, sff).

Goym é plural de goy, e significa respectivamente nações/nativos, e nativo, no singular. Os israelitas são goym de Israel. O termo não tem carga negativa. Sugiro-lhe que estude melhor os judeus e o Judaísmo. É o que eu tento fazer. Eles têm como mandamento "respeitar" pais e mestres, mas "amar" os estrangeiros, os goym. O Deus de Israel não faz distinções, e, segundo o Judaísmo, um não-judeu que seja justo e sábio tem tanto valor como o Sumo-Sacerdote, o Cohen Gadol. "Amai o peregrino porque peregrinos fostes no Egipto". Etc..

Ainda não li o Talmude, mas se a passagem que cita lá consta, pelo menos os judeus não eliminaram nunca as pessoas de outras religiões, como fizeram quase todas as religiões na História, e o Islão mais que qualquer outra - e continua. Os judeus nunca declararam uma guerra, todas as guerras deles foram defensivas. São o povo mais martirizado da História. Se calhar já merecem ser deixados em paz. Já que V. não é cristão, nem crente em Deus sequer, não se sinta melindrado por eles não se converterem ao Cristianismo. Religião é questão de consciência, não se impõe.

Já agora: não sou a Mossad, nem estou em Tel-Aviv. E se fosse e estivesse, estaria no meu direito. Quando me dizem que sou "pago pelos Sionistas", aproveito sempre para pedir que algum Sionista rico me patrocine, mas devem ser todos pelintras como eu, que também sou Sionista (a maior parte das pessoas nem sabe o que é um Sionista). V. também é alvo das mesmas acusações, ao que me disse.

Oliveira

Oliveira da Figueira disse...

Não tinha reparado que esta conversa tinha continuado. Entretanto, acertámos as agulhas na caixa de comentários de um post que fiz sobre Soros, e acho que estamos em paz:

http://amigodeisrael.blogspot.pt/2016/08/george-soros-bilionario-e-esquerdopata.html

Se eu ainda não tinha falado no Soros - repito - foi apenas porque não tinha calhado. Nem sou nenhuma luminária da Cultura, nem gestor de um órgão de informação. Tenho um blog, é só. Mas tenho muito mais a dizer sobre esse pró-terrorista, esquerdopata e anti-semita. Mas já tinha malhado valentemente por exemplo no inútil do Bernie Sanders, que é outro.

A sua entrada no blog Amigo de Israel foi de propósito para "testar aquilo", como V. confessou. Tenho lá os seus comentários arquivados, com expressões como "Toma lá, idiota", "seu judeuzinho", etc.. Não tenho paciência para citar e comentar frases e parágrafos, tenho hate mail às pazadas.
Quem semeia ventos colhe tempestades. Quem vai "testar aquilo", com a rectórica que V. usou, sujeita-se a ser tomado por mais um dos trolls que diariamente lá vomitam ódio. Fico aliviado por V. não ser nazi, já lho disse. A sua palavra chega-me, nem tenho o direito de duvidar.

Não o tenho na conta de parvo. E por isso mesmo, e apesar de considerar que já acertámos pontos de vista e estamos em boa paz, vejo que continua com certos clichés que não são de pessoa inteligente.

Por exemplo: os judeus têm uma "representação desproporcional". Essa é dos Protocolos e do Mein Kampf! Os judeus são apenas 0,17% da população mundial, de facto, mas 1 em cada 4 vencedores de Prémios Nobel é judeu. Idem para avanços científicos e tecnológicos, ajuda humanitária, literatura, arte, activismo político, banca e finança, comunicação, medicina, agricultura, etc.. Isso é "suspeito"? Não. É resultado de uma cultura virada para o bem comum, para o "curar o Mundo", a que eles chamam, salvo erro, tikkun olam. E é resultado de um QI médio que é o mais elevado na espécie humana (não fuzile o mensageiro, sff).

Goym é plural de goy, e significa respectivamente nações/nativos, e nativo, no singular. Os israelitas são goym de Israel. O termo não tem carga negativa. Sugiro-lhe que estude melhor os judeus e o Judaísmo. É o que eu tento fazer. Eles têm como mandamento "respeitar" pais e mestres, mas "amar" os estrangeiros, os goym. O Deus de Israel não faz distinções, e, segundo o Judaísmo, um não-judeu que seja justo e sábio tem tanto valor como o Sumo-Sacerdote, o Cohen Gadol. "Amai o peregrino porque peregrinos fostes no Egipto". Etc..

Ainda não li o Talmude, mas se a passagem que cita lá consta, pelo menos os judeus não eliminaram nunca as pessoas de outras religiões, como fizeram quase todas as religiões na História, e o Islão mais que qualquer outra - e continua. Os judeus nunca declararam uma guerra, todas as guerras deles foram defensivas. São o povo mais martirizado da História. Se calhar já merecem ser deixados em paz. Já que V. não é cristão, nem crente em Deus sequer, não se sinta melindrado por eles não se converterem ao Cristianismo. Religião é questão de consciência, não se impõe.

Já agora: não sou a Mossad nem estou em Tel-Aviv. E se fosse e estivesse, estaria no meu direito. Quando me vão lá dizer que sou "pago pelos Sionistas", aproveito sempre para pedir que algum Sionista rico me patrocine, mas devem ser todos pelintras como eu, que também sou Sionista (a maior parte das pessoas nem sabe o que é um Sionista).

Oliveira