fevereiro 11, 2016

Quando a cabeça não tem juízo

A delicada Ministra da Administração interna, que abandonou a escola de tricot para se dedicar a esta nobre tarefa, meteu faladura na RTP-1. As notícias eram más para ela (e boas para nós): dava conta do desaparecimento de refugiados que eram supostos vir parar a esta terra libertada dos Mouros vai para mais de 500 anos.

A prendada Ministra da Administração interna (diga-se) afirma que os campos de refugiados não são "prisões e as pessoas não ficaram à espera e seguiram o plano de migração que tinham na cabeça". 

Ao contrário do que afirma o Afonso a ministra não estava assim tão apoquentada porque, digamos, refugiados não faltam. O que incomodou a ministra foi o dinheiro que lhe tinha sido prometido e não "caiu" ainda nas contas progressistas desta alma que parece ter menos cabeça que os refugiados.

2 comentários:

Anónimo disse...

Não seja maldizente.
Não vai ser por falta desse dinheiro que o Conselho de Ministro vai deixar de fazer o novo aeroporto de Lisboa.
Até já tem nome para ele: Humberto Delgado
Aquele general que saltitava do Exército para a Marinha e desta para a Força Aérea com a finalidade de rapidamente chegar a general.
Mas não admira pois era o protegido de Salazar e o menino bonito do Estado Novo

FireHead disse...

Que chatice. Acho que não deve ter nada a ver com o facto de Portugal não ser como a Alemanha ou a Suécia. Ainda para mais, e como você referiu muito bem, Portugal tem o registo histórico de ter escorraçado os mouros.