agosto 27, 2012

Born to be free

Cabelos longos, robusta compleição, roupa algo andrajosa e de meia-idade o homem solitário, de cara queimada por muitos dias de sol, encostou a bicicleta numa vedação de madeira no acesso a uma praia de Odemira.

Na parte traseira da bicicleta dois sacos pendurados e na parte da frente outros dois carregavam todos os haveres. Via-se num deles um tapete colchão para dormir no campo. Um sistema artesanal permitia-lhe beber água em andamento como com os populares odres dos ciclistas.

O Sol estava a afogar-se no Mar e ele esperava o momento.

Num braço a tatuagem "Born to be free". Como o posso invejar.

2 comentários:

FireHead disse...

Um sem abrigo moderno...?

Lura do Grilo disse...

Caro Fire Head

Suponho que um solitário que decidiu viajar pelo mundo de bicicleta.

Não é que já não me tenha dado a vontade de percorrer o país ( e outros) dessa forma: sem prazos, sem datas marcadas e sem lugar para dormir definido.