outubro 29, 2015

Agonia hipócrita

A aflição e as reportagens focando crianças irresponsavelmente postas em perigo pelos pais  "refugiados" toma completamente o tempo da maioria das televisões. Exercícios de autêntica manipulação, sem freio e sem remorso, de um povo embrutecido por novelas, relativismo, ideologia de género, falsos valores e contradições que o deixam à deriva são repetidas vezes sem conta com "imagens chocantes", "que podem ferir as pessoas mais sensíveis", que "mostram o drama e a dor".

As campanhas, os espectáculos, o altruísmo tonto e as lágrimas falsas abundam como cogumelos numa série de oportunistas que esperam um bom negócio: propaganda, reconhecimento, visibilidade, progressismo, multi-culturalismo, etc. 

Todos os dias são abortadas cerca de 60 crianças portuguesas e não há a mínima comoção de quem quer que seja perante esta tragédia que assola a nossa sociedade. Sociedade que decide virar costas aos seus com total desprezo e hipocrisia para lamentar nos outros, ou exorcizar sem o perceber, a tragédia surda e a degeneração moral que vive em si.

1 comentário:

FireHead disse...

Pois é, se essa carneirada pudesse olhar para as crianças que morrem a tentar chegar à Europa como se fossem crianças europeias que são impedidas de nascer, tudo seria melhor...